Em Destaques, Sem papas na língua

Serra resolveu apoiar Aécio (Folha, 17/12/2013). Assim, sem mais nem menos.

Seria psicose bipolar? Mas o pior não é isso. O ex-governador resolveu  aprender a sorrir. Estaria tendo aulas particulares? Ou será que esta nova característica faz parte da síndrome bipolar. Um dia sorri, no dia seguinte morde e chupa o sangue. Na última eleição fez um esforço super-humano e beijou uma criancinha. E não vomitou.

Aliás, beijar criancinhas é sintomático. Poderíamos até classificar nossos políticos pela maneira, frequência e motivos com que eles beijam criancinhas:

1. Serra – dizem que a única vez que beijou uma criança, ela mordeu de volta.

2. Aécio – dizem que foi processado por indução de crianças ao alcoolismo. Bafo também embriaga.

3. Eduardo – a família do Bebê o perdoou pelo galo na testa causado pela narigada.

4. Dilma Rousseff – só beija crianças à distância.

5. Alckmin – não beija crianças por consciência. A Opus Dei diz que é sodomia.

6. Marina – não beija crianças, só exorciza.

7. Maluf – beija criança e manda cobrar depois.

 

Créditos de imagem: patrociniohoje.com.br

Facebooktwittergoogle_plus
Rogério Cerqueira Leite
Físico, professor emérito da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Comentar