Em Conjuntura Internacional, Destaques

Por Roberto Moraes

EUA-Arábia Saudita e o maior contrato de venda de armas da história norte-americana, no valor de 110 bilhões de dólares (358 bilhões de reais).

Arábia Saudita é o quarto maior comprador de armas do mundo.

Segundo matéria do jornal espanhol El País, o Instituto Internacional de Estocolmo para a Pesquisa da Paz (SIPRI, na sigla em inglês) informa que no ano passado o gasto dos sauditas com o setor foi de US$63,7 bilhões de dólares.

Assim, Trump faz aquilo para o qual foi eleito com apoio do setor armamentista dos EUA.

O setor sustenta a mais forte estrutura da indústria americana. Ele puxa uma enorme cadeia em que se ancora boa parte da economia americana.

O acordo renovado com os sauditas tem duplo ganho.

Além da aliança no campo da defesa e dos alinhamentos geopolíticos, ele também sustenta a outra âncora, a do petro-dólar que garante a moeda americana com a principal base de negociação da mercadoria especial que é o petróleo.

Ao estilo americano esta é a resposta à proposta de ampliação da articulação internacional da rota da seda dos chineses.

Assim, parece que o capitalismo de estado chinês caminha para se confrontar com o capitalismo da hegemonia bélica americana.

Do FB do Autor [http://bit.ly/2rKxfug]: 20/05/2017.

__________

Roberto Moraes. Engenheiro. Pesquisador do PPFH-UERJ.

 

 

Facebooktwittergoogle_plus