Em Cotidiano, Destaques

Por Fernando Brito

A classe média deslumbrada, que quer comprar enxoval de bebê nos EUA – como os juízes que reclamam de não poder comprar ternos em Miami – deveria prestar atenção na terrível matéria publicada hoje em O Globo e ver aonde  a gula da medicina privada pode chegar.

A turista canadense Jennifer Huculak-Kimmel, grávida, viajou com o marido para passear no Havaí. Prudente, fez um seguro-saúde com a empresa Blue Cross.

Por acaso – e possivelmente por uma infecção urinária contraída durante a gravidez – ocorreu um inesperado estouro de bolsa e ela teve de fazer um parto prematuro.

Até aí, algo infelizmente não muito raro e perigoso para mãe e bebê.

Mas o “original” veio depois, quando recebeu a conta da internação que, como é comum quando o prematuro tem muitos problemas, durou dois meses.

A “notinha” era de “apenas” US$ 950 mil, ou R$ 2,4 milhões.

E, claro, o tal seguro saúde não a cobriu, alegando que não fez seguro para a criança.

Deixando de lado o drama pessoal da mãe e de sua criança, é o caso de perguntar que tipo de sistema de saúde é este?

Mercantilismo total. Extorsão sobre uma criança e uma mãe fragilizadas.

É isso o que queremos para o Brasil?

Mesmo para quem pode pagar – e paga, bem caro – por um parto, ainda mais numa situação de emergência, será que podemos deixar que a saúde e a vida das pessoas sejam submetidas a isso?

Claro que uma UTI neonatal é cara, mas chegar-se ao ponto de cobrar R$ 40 mil por diária?

Pesquisem e vejam como a coisa anda por aqui. Não chega a isso, claro, mas não vai ser difícil achar preços de R$ 4 ou 5 mil por dia, sem contar a equipe de médicos…

Um sistema de saúde que chega a isso não é de saúde, mas de completa doença social.

Será que isso não escandaliza os nossos médicos, que sabem que estes valores são subsidiados pelos contribuintes, pois despesas médicas são dedutíveis no Imposto de Renda?

É fácil chamar de escravos os médicos cubanos que vêm trabalhar por salários modestos. Difícil é chamar de mercenários quem faz coisas como estas com um criança recém-nascida, prematura, em sério risco de morte.

Podem achar que são deuses. Mas só podem mesmo ser demônios, os que fazem isso.

Artigo publicado pelo blog Tijolaço: http://bit.ly/1zr1r9b

Para acesso à matéria de O Globo: http://glo.bo/1zEY9Bm

Fernando Brito. Jornalista.


Créditos de imagem: lh5.ggpht.com

Facebooktwittergoogle_plus

Comentar