Em Ciência e Educação, Destaques

Por Gabriel Alves

Devido ao interesse gerado e as frequentes solicitações recebidas por parte de internautas, especialmente da área acadêmica, estamos disponibilizando o presente artigo que comenta os resultados do Nature Publishing Index 2013 Global Top 200 (http://bit.ly/16thRXw) e o conteúdo do Nature Middle & South America. Nature 515, S91–S92 (13 November 2014) doi:10.1038/515S91a (http://bit.ly/1I8Lxuj), que corroboraram parte das reflexões constantes do nosso artigo “Produção Científica e Lixo Acadêmico no Brasil”, publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo (06/01/2015) e republicado neste blog: http://bit.ly/1BGC99s


Segundo ranking da revista Nature, o Brasil é um dos países com menor eficiência no gasto com ciência. Ele figura em 50º entre 53 avaliados, atrás de países como Irã, Paquistão e Ucrânia. O país, no quesito, só é melhor que Egito, Turquia e Malásia.

A medida é feita pela divisão do número de artigos publicados em 68 revistas científicas internacionais de alto prestígio pelo total de investimentos em pesquisa.

Em 2013, segundo a Nature, o Brasil publicou 670 artigos nessas revistas. Seu gasto com ciência e desenvolvimento é da ordem de US$ 30 bilhões ao ano.

Em comparação, o Chile publicou mais que o Brasil (717 artigos), gastando menos de US$ 2 bilhões, um desempenho muito bom. Israel publicou 1.008 artigos gastando cerca de US$ 9 bilhões.

O país mais eficiente é a Arábia Saudita, que tem conseguido um ótimo retorno com estudos da área de energia e gás. Publicou 288 artigos gastando, segundo o último dado disponível, cerca de US$ 500 milhões ao ano – os dados incluem dinheiro público e privado.

Como algumas revistas científicas especializadas em física publicam uma quantidade muito grande de artigos, a metodologia da Nature, que dá origem ao ranking (ver figura), conta ainda com um fator de ponderação para corrigir essa distorção, entre outros ajustes metodológicos.

Assim, artigos de ciências biológicas e de química valem mais, para que países fortes em exatas não fiquem artificialmente melhor colocados.

Gasto brasileiro com ciu00EAncia u00E9 muito pouco eficiente,  diz 'Nature'

Nem tudo é má notícia: o desempenho brasileiro – calculado para o ano de 2013 – comparado ao de 2012 melhorou em 17,3%: o pais ocupa agora a 23ª posição no ranking geral – sem considerar a eficiência. Antes, o Brasil ocupava a 26º posição.

José Eduardo Krieger, pró-reitor de pesquisa da USP, avalia o desempenho como “inadequado perante a grandeza do país”, já que o Brasil, se tivesse um desempenho de acordo com sua economia, deveria figurar entre os sete melhores do mundo.

Rogério Meneghini, diretor científico do SciELO – banco virtual de dados bibliográficos –, avalia positivamente a iniciativa da Nature.

Segundo ele, o ranking cobre artigos de projeção muito grande, e que certamente terão em média um alto índice de citações – outra maneira de medir a relevância científica de um trabalho.

Em avaliações que analisam uma quantidade maior de revistas, a participação brasileira em porcentagem de artigos publicados está em 2,5%. No ranking da Nature, o país tem só 1,1% (13º lugar).

Em termos brutos, é o país com maior publicação científica da América Latina. Quando se analisa, porém, o volume de pesquisa produzido a cada mil pesquisadores, o Chile lidera a região com um índice cinco vezes maior que o do Brasil, que fica atrás também de México e Argentina.

O ranking da Nature também classifica as instituições por produtividade em pesquisa. Dentre as 200 melhores, não há nenhuma latino-americana. O ranking é liderado pela Academia Chinesa de Ciências, seguida por Harvard (EUA) e pela Sociedade Max Planck (Alemanha).

A universidade latino-americana mais bem colocada é a USP, também primeira colocada entre as universidades brasileiras no Ranking Universitário Folha. Ela aparece em 271º lugar na Nature, seguida por UFRJ (557º), Unesp (574º) e Unicamp (613º).

Krieger considera que a USP, assim como a ciência brasileira, precisa aumentar não só a quantidade, mas principalmente a qualidade de sua produção científica. Segundo ele, o Nature Index pode ser um bom indicador da qualidade da pesquisa nas áreas que ela avalia.

Segundo Krieger, falta “estimular a vocação de cada universidade” e abandonar a ideia de gigantismo de que uma instituição tem que ser boa em todas as áreas.

Publicado Folha de São Paulo (17/11/2014)

Gabriel Alves. Jornalismo científico

Ilustração: Alex Argozino/Editoria de Arte/Folhapress


Créditos de imagem: pic.biodiscover.com

Facebooktwittergoogle_plus