Em Destaques, Música

Os acontecimentos pareciam, por muito tempo, contestar uma afirmativa de Jânio de Freitas nessa Folha de São Paulo. Maguila estaria acabado com duas fragorosas derrotas por nocaute para boxeadores medíocres, afirmara o metódico jornalista. E, no entanto, o corajoso brasileiro de queixo de vidro conseguira recuperar seu prestígio posteriormente, derrotando seus dois oponentes anteriormente vitoriosos e uma sequência de pugilistas decadentes. É verdade que as pernas bambeavam sempre que algum soco passava-lhe por perto das mandíbulas. Mas nossa natural patriotada nos fazia a cada espetáculo empilhar ilusões. E Maguila subia no ranking mundial até a posição de challenger. Ora, como poderia lá estar se não fosse o melhor? Um dilema clássico. Seria Maguila uma farsa? E a cada nova luta removíamos um pouco de nossas dúvidas e consolidávamos nosso sonho. Quem se lembra do último filme de Humphrey Bogart? Em que o prestígio de um boxeador de queixo de vidro foi montado ardilosamente para que no final as apostas enchessem os bolsos do inescrupuloso empresário Rod Steiger! É claro que a montagem em torno de Maguila teve uma finalidade mais construtiva, atrair a atenção do público para um esporte desprestigiado no Brasil. E com esse intento se conseguiu a conivência das organizações esportivas internacionais. Mas a hora da verdade chegou. No boxe não há alternativa. A farsa se desfaz um dia, pois haverá sempre alguém no caminho do valente de queixo de vidro. Não pode haver dois campeões, ou dois desafiantes. Mas com a música a coisa é diferente, não há campeões, não há disputas diretas. E por isso farsas dessa natureza são bem mais difíceis de serem desmontadas. Todavia, a despeito do exemplo do boxe, casos de montagens assim deliberadas são raras no campo da interpretação musical. E isso devido, em grande parte, presumo, a essa inglória espécie, o crítico musical. Não obstante abundam manipulações modestas.
Vejamos qual é a fórmula desenvolvida pelos intérpretes medíocres brasileiros para montar a farsa. Bom, começa-se com algumas tournées internacionais. Há centenas de pequenos jornais e mesmo grandes que contratam críticos improvisados. A probabilidade de que alguns elogios ocorram é grande mesmo para o mais medíocre intérprete. E principalmente se ele é um desses cometas provenientes de um país subdesenvolvido. É claro que se houver dinheiro é recomendável um concerto no Carnegie Hall. Poucos brasileiros sabem que quase qualquer um pode alugar essa sala. E muitas outras existem que emprestam prestígio e preço fixo. E o mesmo ocorre com discos. Se o papai é rico, o nosso farsante poderá gravar a obra completa de Bach. É claro que não será para a Deutsche Grammophon, ou para a EMI, mas haverá sempre uma gravadora menor, disposta a fazer alguns cobres. E assim talvez o nosso farsante até se torne um sucesso nacional, um Maguila do teclado. Que o leitor não se intimide, entretanto, pois há uma plêiade de grandes intérpretes da música para cravo de Bach. Infelizmente o mago Scott Ross faleceu apenas começando o projeto de ciclo integral. Mas temos o sábio Gustav Leonhardt e o vidente Kenneth Gilbert. E mais recentemente o sacerdote Davitt Moroney. Ao piano, os antológicos Edwin Fischer e Sviatoslav Richter, o genial Gould e o divino Lipatti. Da nova geração, o exuberante András Schiff. E para os nacionalistas um brasileiro promissor, Steuerman.

Nota – Do livro do autor Um Roteiro para Música Clássica. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1992. 705p. Publicado originalmente no jornal FSP: 17/09/1989.

Johann Sebastian Bach

Partita No.4 BWV 828 Complete

Jean Loius Steuerman

Clique aqui!

Clique aqui!

Facebooktwittergoogle_plus