Em Destaques, Vida Nacional

Por Fernanda Orsomarzo

Certo dia, ao chegar ao fórum, avistei uma moça que me aguardava na entrada do gabinete. À medida que me aproximava, ela baixava os olhos para o chão, acuando-se num canto entre a parede e a porta.

– Olá! Posso te ajudar em algo?

– Oi, doutora. Meu marido pediu para que eu falasse com você.

– Quem é seu marido?

– É o João (nome fictício). Ele está preso.

– Ah, sim. O que aconteceu?

Nesse momento, a moça de corpo franzino começou a chorar. Suas lágrimas eram acompanhadas por intensos soluços e, por conta disso, não conseguia falar. Eu, surpresa e sem jeito com a situação, pedia para que ela se acalmasse, o que foi acontecendo aos poucos.

– O que há? Por que chora tanto?

– Eu só queria saber quando meu marido sai da cadeia, doutora.

Eu, então, me calei. Tendo em vista o estado emocional daquela mulher, que me olhava com tanta tristeza, não podia simplesmente dizer que seu companheiro ainda enfrentaria mais sete longos anos de prisão. Contudo, enquanto pensava em como dar a notícia, ela se adiantou:

– Acabei de sair do hospital. Sangrei uma noite inteira sozinha. Pedi ajuda, mas os vizinhos não escutaram. Perdi meu filho. Perdi a criança que preencheria a minha solidão. Estou só, doutora. Não tenho ninguém.

E começou a chorar novamente. Eu, diante dela, experimentava mais uma vez o sentimento que tem sido para mim uma constante na Vara de Execuções Penais: a impotência.

Por que conto esse episódio?

Conto para que não esqueçamos que o cárcere esconde dramas e histórias de vida que vão além, muito além daquelas paredes mofadas e mal cheirosas, daqueles corpos amarelados e abatidos. Conto para que saibamos que existem pais, mães, esposas e filhos que, apesar de não estarem fisicamente presos, encontram-se em intenso sofrimento psíquico. Conto para dizer que é absolutamente possível ser solidário às vítimas da violência e lutar para que o sistema carcerário não faça mais vítimas; afinal, ser a favor da vida não admite meio-termo. Conto para que lembremos que diariamente pessoas são entulhadas como lixo, muitas delas sem decreto condenatório definitivo, a fim de que seja saciada a sede de vingança de uma sociedade doente. Conto para que saibamos que seres humanos “pagam” pelos erros cometidos num lugar que, ao invés de ressocializar, é a barbárie na Terra. Conto para lembrar que cabe ao Estado, sim, a sua proteção, e que a Constituição Federal prevê a dignidade da pessoa humana como um dos fundamentos da República, sendo um de seus objetivos a promoção do bem estar de todos. TODOS, sem exceção. Conto para dizer que não quero, não posso e não vou me conformar com a situação dessas pessoas, e que no dia em que achar natural a morte de 60 seres humanos, no dia em que não enxergar nada além de “bandidos” naqueles corpos atrás das grades, a magistratura já não estará mais viva em mim. Eu já não estarei mais viva.

Do Facebook da Autora [http://bit.ly/2iOSWaE]:06/01/2016.

____________

Fernanda Orsomarzo. Advogada. É Juíza de Direito, no Paraná.

Facebooktwittergoogle_plus
Showing 26 comments
  • Gilson Almeida de Melo
    Responder

    Dignidade.

  • Estefânia
    Responder

    Tem todo o meu apoio Dra. …São seres humanos, e Cristo até falou que se compadecia com o sofrimento deles. Falou q na sua volta vai dizer: “estive preso e não.me visitastes”. Se sensibilizar com a dor deles, não significa dizer que apóia seus erros, mas ser consciente que todos nós somos passíveis de erros. Eu não tenho e nunca tive alguém lá. Porém, imagino o.quanto é terrível.

    • David
      Responder

      Ter alguém lá não é o pior! O pior é ter alguém em casa e um deles e estuprar na tua frente e depois matar, mas pior mesmo é quando é com a gente! Mas podia fazer a experiência de ficar a sós com um deles, de preferência um menor, depois pode formar opinião, antes não, é hipocrisia e falta de empatia com as vítimas, as reais merecedoras de piedade.

      Ah! E Cristo disse que o perdão do pecado é pelo batismo, àquele que crer e for batizado será salvo, quem não crer JÁ ESTA CONDENADO! (João 3).

      E aos que não crerem, está reservado o lago de fogo e enxofre onde será lançado … a morte e o INFERNO… e todos os que não creram (Apocalipse 20).

      Deus é amor e perdão aos que se arrependem e não pecam mais, mas aos pecadores tem juízo pior que a pena de morte, é a morte eterna.

  • Rogério Carvalho
    Responder

    Em primeiro lugar: nós, cidadãos de bem, nos importamos com a vida das pessoas sim! Razão pela qual trabalhamos, criamos família, vamos à igreja, pagamos impostos. Não cabe a nós, darmos fé e nos preocupar com a vida de quem não respeita a nossa vida. Assim sendo, um bandido morto, é um bandido a menos!
    Em segundo lugar: se estão entulhando bandidos como lixos, é porque de fato sao lixos da sociedade e lixo serve pra ser descartado e queimado. Não se reaproveita lixo contaminado!
    Terceiro: se alguém não quer ir pra um lugar horrível, mofada e mal-cheirosa, é so não matar ou roubar. Nem é preciso maiores considerações pra isso ser entendido!
    Quarto: ressocialização é algo que cabe à quem respeitiú, pelo menos, os limites da vida e da morte! Quem mata pra roubar, estuprar ou após sequestro, não t esse direito e o melhor que se faz, é descartar esse lixo da sociedade com a pena capital!
    Quinto e último: 60 ou 200000 bagulhos humanos como os que morreram em Roraima e no Amazonas, não farão falta algum pra comunidade, quiça, para a sociedade como um todo. Aliás, parece-me suas famílias serão muito bem amparadas com a tal indenização que o estado está disposto a pagar pela morte desses porcarias! Coisa que nenhuma virimas desses demônios tiveram direito!
    Sexto: para sintetizar todo pensamento acima exposto, concluo com o sábio adágio: bandido bom, é bandido morto!

    • Ecio Ricci
      Responder

      Quanto ódio no seu discurso, Por favor não vá a igreja, lá tem um cara que foi executado pela pena de morte que tanto anseias para nosso país. Bandido bom é bandido morto quando ele é pobre, por que quando é rico vocês hipócritas colocam ele no poder,

    • David
      Responder

      Conhece a APAC? Associação de Proteção e Assistência ao Condenado.

      https://www.youtube.com/watch?v=nK9cMNakJs0

      É uma excelente iniciativa, mas a juíza devia mostrar essa empatia com as vítimas, quanto ao bandido ele procurou estar na cadeia.

    • Maria
      Responder

      Tu é im lixo. O teu lugar é num forno crematório e as cinzas jogadas num monte de merda. Pq gente escrota como tu nem devia ter nascido. Alias defecado. Pq foi assim que tu veio ao mundo. Numa grande diarréia. Vivemos num mundo onde os humanos nunca estiveram tão doentes. Foi isso que este sistema made in USA fez nesta humanidade podre civilizada. Tua energia é podre e vc é um pobre miserável. Tu não serve nem pra lamber os excrementos de uma prisão. Verne imundo e miserável

      • maria
        Responder

        Claro que tô me referindo ao seu rogério carvalho

    • Marcos
      Responder

      Com esse monte de cliches repetidos por todos e visão curta e estreita corrobora com a chama do texto: “PESSOAS SÃO ENTULHADAS COMO LIXO, A FIM DE QUE SEJA SACIADA A SEDE DE VINGANÇA DE UMA SOCIEDADE DOENTE”.
      Melhor destilar ódio e raiva do que apresentar e discutir soluções

  • Sueli Aparecida Haither
    Responder

    Parabéns pelas reflexões. Enquanto houver indignação há esperança. Vale ressaltar que os presos no Brasil tem cor e classe social e às vezes seu único crime é ser negro e favelado. Sociedade hipócrita que se julga no direito de escolher quem vai morrer. Uma pergunta: isso não é tarefa de Deus?

  • Alexsandro Crespo
    Responder

    Lindo e comovente o texto da “Dra.” Mas o que me comove são as famílias destruídas, os filhos mortos, os pais e mães enterrados vivos na amargura de um filho ou ente querido morto por um desses marginais que preferem roubar, ferir e matar muitas vezes par de tênis ou celular. Lamentável sim nossa situação carcerária MAS mais lamentável mesmo é o salário mínimo de quem trabalha com honestidade, lamentável sim é a saúde pública, lamentável é ter que trabalhar até os 65 pedindo a Deus saúde para poder ainda gozar de alguns anos de aposentadoria. Sei que oportunidades não diferentes para todos, mas quem realmente quer mudança no estilo de vida, trabalha até vendendo bala no sinal…se o inferno (sistema penitenciário) fosse tão ruim assim não teríamos tantas recidivas de várias passagens dos mesmos detentos.

    • Mari Tortato
      Responder

      Nem dá pra ler esses “argumentos” até o fim. Dá engulhos, mal-estar, falta de ar…

  • Marta Rosana
    Responder

    Eu só gostaria que esse sentimento se estendesse a todas as vítimas e as famílias dessas vítimas que tiveram as vidas ceifadas por esses presos que a constituição confere tanta dignidade. Eles optaram (a grande maioria) pela vida do crime e devem arcar com as consequências…afinal não seria punição, se não ficassem presos. Não seria prisão se tivessem mordomias, não seria punição se fosse tudo.certinho”…Podiam ter um espaço mais digno sim…mas vj tantas injustiças nesse país, famílias inteiras morando em um cômodo e passando fome…e tão aí tentando trabalhar, honrando a família e os filhos que colocaram no mundo. Sinto por tantas pessoas que ficaram para ou tetraplégicas por conta de não terem como se defenderema assaltos …sinto por tantos trabalhadores que perderam suas vidas em acidentes de trabalho e suas famílias nunca foram indenizadas…sinto por tantos na fila do SUS aguardando o mínimo de dignidade: uma consulta e uma palavra amiga…sinto por tantos moradores de rua, que mesmo sem trabalho; não roubam nem matam…sinto por tanta corrupção dizimando o pouquinho de respeito que sobrou pela classe política…sinto por um STF que se apressa em indenizar familiares de pessoas que só contribuiram para “o fundo do poço” desse país …e o pior; as vítimas de Mariana, das enchentes no sul, da seca no nordeste; continuam na labuta e nunca, mas nunca que o STF se manifestou a respeito…sinto porque os valores foram esquecidos. Também sinto pelos familiares desses presos…muitos não merecem esses “integrantes” como filho, pai, esposo…sinto pelas condições dos presídios sucateados…mas já observou qts escolas, serviços de saúde estão fincionando de forma precária??? Qts hospitais estão em condições desumanas? E o que uma pessoa trabalhadora, que paga seus impostos, doente e muitas vezes sem solução para seu problema, fez para merecer isso???…quem sou eu para dizer o que está certo e o que está errado…mas meus pais sempre me ensinaram o que é certo e o que é errado, e que quando fazemos escolhas, temos que responder por elas. Se plantar flores, posso colher perfume…mas se eu plantar espilhos; colherei feridas. E infelizmente os presos estão colhendo o que plantaram…muitos só plantaram dor, inclusive em crianças! Penso que quem mata p se apossar de algo que não lhe pertence, alguém que estupra uma criança, alguém que rouba um idoso ; não respeita ninguém, nem a Deus. Então não tem porque merecer meu respeito tbm. E a forma que eles se rebelaram foi só para mostrar poder; que facção ficará mais poderosa…tão nem aí para suas famílias, muito menos com as nossas! Só espero que um dia alguém reveja a constituição e as leis que regem o sistema prisional; que façam com que esses “coitados” trabalhem muito pesado para se manter e cuidar de seus familiares se não pode bolsa família, muito menos auxílio reclusão!..isso sim é dignidade.

  • Marta Rosana
    Responder

    Me desculpem os erros de digitação e até mesmo de português…é a indignação por tantas injustiças e tanto sofrimento…

  • Mi gonzaga
    Responder

    A senhora deveria fazer também uma reflexão de quantas famílias sofrem a perda de seus entes queridos,vítimas de muitos desses que presos estão…muitos que perdem suas vidas por motívos fúteis.

  • Naiane de Mattos
    Responder

    Muita inocência achar que todos tem poder de escolha. Muito fácil achar que uma criança que cresce no meio do crime, sem orientação do que é certo e errado, sem perspectiva alguma, quando crescer vai ser algo diferente do que um criminoso. Eles são negligenciados, humilhados, discriminados e é no crime que veem a única forma de ter alguma coisa. Quando são presos, muitas vezes por crimes pequenos, entram definitivamente em um caminho sem volta. Nas penitenciárias brasileiras são obrigados a se aliarem a facções em troca de proteção. Assim quando saem de lá devem favor, nunca mais estão livres, não tem escolha. Então quando vimos nos noticiários pessoas de bem e inocentes sendo vítimas de criminosos, nos comovemos, nos revoltamos, mas dificilmente pensamos que na maioria das vezes o agressor também é mais uma vítima dessa sociedade egoísta, preconceituosa e desse governo indiferente, que pouca faz pelas minorias oprimidas. Não precisamos de mais violência, não precisamos de pessoas que vejam uma atrocidade dessas que aconteceu em Manaus, como algo sem importância “eram apenas criminosos”. Precisamos de mais compaixão, precisamos nos indignar com a educação pública e saúde desse país, precisamos nos revoltar contra o atual sistema carcerário.
    Precisamos olhar com atenção as crianças que crescem sem o mínimo de dignidade e cobrar atitude dos nossos governantes, elas são futuros cidadãos de bem ou criminosos do nosso país. Feliz daqueles que tenham oportunidades, que tem pais que os oriente, que podem crescer e viver longe do tráfico e seus perigos, que podem escolher entre o bem e o mal. Mas não sejamos ingênuos de pensar que com todos é assim. E sim, podemos fazer a diferença, ao ter um voto consciente, ao cobrar de nossos governantes, ao não fechar os olhos a essa situação so porque está bem longe de nós, ao tratar com respeito e ajudar os oprimidos.

  • Neuza Ladeira
    Responder

    Muito bem doutora

    a

    muito bom as suas palavras doutora Fui presa política e passei por cárceres horríveis e sei como somos tratados Fico
    impotente frente a tanta ignorância por parte dos governos
    Que se fazem de cego e surdo para com a nossa indignação lutas travadas
    Prisão não é carnificina os presos tem que ser tratados como humanos
    e a morte ronda solta pela falta de perspectiva
    obrigada pela sua revolta indignação
    A mesma de muitos
    Me solidarizo
    Neuza Ladeira

  • Neuza Ladeira
    Responder

    esqueci de colocar o h e colocar bom ao contrário de boa

  • Mari Tortato
    Responder

    Seu artigo, dra Fernanda Orsomarzo, é oxigênio fundamental para reagir a tanto comentário retrógrado, conservador, pequeno, que se viu aqui. Pessoas que vivem no seu quadrado, incapazes de abrir a cabeça para o fato inquestionável de que presídios onde a violência impera vão provocar aqui fora violência em progressão geométrica. Vão, não. De há muito já provocam.

  • Simone Borges
    Responder

    Mesmo sabendo que os piores bandidos são os que estão aqui fora não quero a morte de ninguém (Não sou religiosa, mas esse tipo de pensamento nunca passou por minha cabeça

  • Leandro
    Responder

    Nenhuma criança que nasce, nasce bandido. Quem faz o bandido é a própria sociedade. Não defendo bandidos. A pergunta que fica é porque um cidadão escolhe o caminho errado? Será que ele queria isso mesmo? Alguém sabe o que esse cidadão passou na vida? Quem pode julgá-lo? Não seremos todos nós responsáveis por isso? Fica aqui minha reflexão.

  • Automare
    Responder

    Cabe ao estado prender julgar ,condenar se for o caso aplicar penas justas com qualidade,ressocializar o apenado e devolver a sociedade um individuo recuperado,celas com 10 metros quadrados com 20 presos é ambiente de chacina, não investimos em educação com seriedade no passado hoje sofremos estes horrores,parabéns Meritíssima Juíza Fernanda Orsomarzo um exemplo de ser humano!

  • Paulo Rodrigo Corgozinho
    Responder

    É sempre bom ouvir posições contrarias sobre um mesmo assunto. Te faz refletir e ter uma opiniao mais embasada. Neste caso especifico a maioria esmagadora das pessoas foi contraria a sua opinião e eu me enquadro neste universo, obviamente com algumas ressalvas. Em momento algum acho que devemos desejar ou comemorar a morte de alguem. Nao acho que temos este direito. Independente do crime que se cometeu. O que causa indignaçao em todos é o fato de citarmos leis e a propria constituiçao neste caso. É logico que a contituiçao é para todos, e o estado tem que garantir a segurança de todos. Dos presos e a nossa ,pessoas de bem que independente de qualquer adversidade nao matamos ou roubamos para ter aquilo que queremos e nao podemos ter. Um dos presos mortos nesta rebeliao tinha matado e estrupado uma garotinha de 04 anos. Onde estava o estado nesta hora? Olho para o meu filho desta mesma idade e me pergunto. Onde a constituçao defendeu ou se fez valer para os pais desta garotinha? Entao é muito facil fazer o discurso politicamente correto e dizer que de acordo com as leis as familias destes bandidos devem ter toda a assistencia. Mas e o outro lado. E ate acredito que os familiares destes presos sofram como o exemplo citado no texto,mesmo porque amanha ou depois pode ser um parente ou um filho meu ou seu nesta situaçao. A diferença basica é que os presos fizeram uma escolha mesmo sabendo do inferno que enfrentariam na prisao. A garotinha de 04 anos nao teve esta posaibilidade. Nao pode escolher. O que eu acho que os juizes e os advogados deveriam se indignar e lutar é para que todos e todos inclui as pessoas de bem tenham o seu direito a segurança preswrvado. Deveriam lutar por um codigo penal onde a pena de homicidio de 30 anos seja cumprida em sua totalidade swm nenhum benefício que faça o preso sair com 05 ou 06 anos por bom comportamento. Deveriam lutar para que os presos trabalhasse e pagassem suas despesas para terem um pouco de dignidade. Este deveria ser o papel de um advogado que se preocupa com os direitos dos outros. Engraçado quando o texto menciona o seu constrangimento em responder a swnhora que seu companheiro só sairia da prisao em 07 anos. Imagina se rivesse que responder para os pais da garotinha quando ela estaria de volta. Constrangedor ne? Concordo que nao podemos e nao temos o direito de fazer justiça com as prprias maos, mas axho que sendo asvogado ou nao deveriamos ter mais clareza na hora de defender os direitos de um lado só. Principalmente se este for o lado errado da historia.to menciona Mas de qualquer forma o $ de um cliente que estrupou e matou uma garotinha de 04 anos e precisa ter um advogado de defesa tem o mesmo poder de compra que o $ de um pai que perdeu a filha de 04 anos estrupada e assassimada por um “coitado” vitima da sociedade.

  • Neto
    Responder

    Desculpa, mas o histórico de um dos mortos que era o de ter estuprado e matado uma criança de 4 anos com 14 facadas, NÃO me faz o ver como um ser humano, mas sim como um monstro, como um verme, como um parasita que precisa ser exterminado pra nunca mais destruir nenhuma família de bem.

  • Tania
    Responder

    Na nossa sociedade, ao que parece, não existe conceito de Justiça, o que impera é o desejo de vingança. Vemos inclusive esse desejo nos comentários ao texto digno da meretíssima juíza.

  • Reinoldo da Silva Atem
    Responder

    VOCÊ É MUITO LINDA E HUMANA. TE ADORO. REINOLDO ATEM, CURITIBA, PR.

Comentar