Em Destaques, Miscelânea

RepórterSenhora Pulga, a Folha a cumprimenta pelo retumbante sucesso da estreia em nosso país do espetáculo pela senhora estrelado. E eu gostaria de ter a honra de ser o primeiro repórter a entrevistá-la.

PulgaEm primeiro lugar me diga o senhor de que tipo é? Detesto tipo O universal. É muito vulgar. Quando posso tomo tipo H, como hors d’oeuvre e tipo A como entrée. Mas reconheço que é um requinte e já tive que me satisfazer uma vez com sangue de cachorro. O senhor certamente não desconhece o fato de que há uma hierarquia entre as 1.400 espécies diferentes de pulgas. A pulga do homem, Pulex irritans, ocupa o pináculo dessa escala. Aliás, irritans; é a mamãezinha do cientista que nos deu essa estúpida denominação. Muito mais irritantes são esses cretinos que usam Neocid nos colchões. E vocês humanos vivem falando em justiça social, protegendo animais em extinção. Pois eu também estou em extinção. Minha última esperança eram os hippies. Mas agora com a moda dos yuppies, engomadinhos, cosmetizados, não temos mais chance. Mas afinal que tipo é o senhor, já estou começando a ficar com fome. Uma pulga de qualidade precisa de pelo menos duas refeições diárias.

Repórter – Bem, eu já fiz muitos sacrifícios pelo meu jornal. Sou tipo B e prometo-lhe a oportunidade de um lanche rápido assim que terminarmos. Se entendi bem, pulgas são especializadas.

PulgaExiste uma pulga para o homem, como já disse, outra para o cachorro, Ctenofalides canis, outra para o gato Crenoralideis, mais outra para o rato oriental, Xenopsylla cheopis, e assim por diante. E todas as 1.400 espécies de pulgas sugam seu sangue específico, não é maravilhoso? Eventualmente uma pulga de cão ou de gato chupa o sangue do homem, e tem uma diarreia. Exatamente como os turistas americanos que bebem água na Bahia.

RepórterOuvi talar que a peste bubônica foi transmitida pela pulga do rato.

PulgaNão foi bem assim. E veja que conheço a história pelo lado de dentro. A grande praga que matou 25% da humanidade entre 1347 e 1350 da era cristã decorreu provavelmente de um esforço coletivo de muitas espécies de pulgas e roedores, tendo como principais atores a pulga do rato oriental e o rato doméstico, ao qual essa minha irmã se adapta bem. Mas a transmissão direta, pela respiração, deve ter sido o principal vetor da praga. Mas vamos mudar de assunto, pois acredito que a pulga do homem tem muito pouco a ver com a praga, mesmo porque não chupo sangue de rato, nem como último recurso. Tenho nojo. Tudo bem, em caso de absoluta necessidade, um tenro gato angorá, ou então um poodle rechonchudo.

RepórterFalemos um pouco de seus dotes atléticos. A senhora pula muito mais que qualquer outro ser vivo, em proporção ao seu tamanho. Se fosse da altura de um homem pularia por cima do edifício Empire State, como o super-homem. E o carro miniatura que a senhora puxa no circo? É como se um homem empurrasse sozinho um trem com dez vagões!

PulgaMas nossa mãe, quanta ignorância! Como é que um repórter de um grande jornal pode ser tão incompetente. E depois me chamam de irritans. Por sinal, Galileu Galilei já havia mostrado esse equívoco. Mas vocês insistem nessa besteira. Hoje em dia somente as pulgas lêem Galileu. Estamos cansadas de ver filmes de ficção científica em que um professor maluco cria uma aranha gigante ou formigas do tamanho de elefantes ou um outro desses bichos repugnantes, sem mudar sua fisiologia e sua anatomia, mantendo a mesma proporcionalidade de suas dimensões. Ora, a força de um músculo cresce com a sua secção transversal, ou seja, com o quadrado de uma sua dimensão qualquer enquanto o peso cresce com o volume, ou seja, com o cubo da dimensão escolhida. Os músculos de uma aranha que crescesse até o peso de um homem seriam incapazes de mantê-la em pé. Muito provavelmente ela seria esmagada pelo próprio peso. Aliás, quanto menor a aranha mais ela salta. Uma papa-moscas pula mais longe que uma caranguejeira, que pesa mil vezes mais e tem aproximadamente amesma anatomia. O gafanhoto, grilo, a pulga, a perereca, a lebre e o canguru usam pernas longas para saltar porque a impulsão é também proporcional ao tempo em que a força atua sobre o corpo a ser propulsionado e quanto mais longa a perna maior o tempo de atuação, e portanto maior a impulsão e maior o salto. Galileu não percebeu essa peculiaridade. Nem Haldane que retomou o assunto. Só as pulgas percebem esse detalhe. Em resumo, se o homem com sua peculiar anatomia fosse encolhido até o meu tamanho, ele pularia cem vezes mais que eu e teria uma força aparente incrível. Seria imbatível.

 

Repórter – Se a natureza é assim sábia, então porque não fez a senhora com a capacidade de pular cem vezes mais longe?

PulgaOra, é tudo uma questão de compromissos. O exoesqueleto é inadequado, em comparação com o esqueleto humano, para exercer força, mas fornece proteção, é também uma armadura. Você já tentou estalar, como sugere Mefistófeles no “Fausto”, uma pulga entre suas unhas? Além do mais de que serviria saltar cem metros? Minha técnica é simples, quando sinto as vibrações no chão devido a passos, começo automaticamente a pular, um salto para a esquerda, outro para a direita, até que acerto o infeliz. Para isso meio metro é maior que cem.

RepórterMas então como a senhora explica o sucesso que tem no circo? Então é uma farsa, se a senhora, enfim, pula menos e tem muito menos força que o homem, em relação aos respectivos tamanhos. Como é possível?

PulgaEm primeiro lugar, pulga de circo não pula. Eu tenho um invisível fio de ouro em volta de meu metatórax que me impede de usar os músculos de minhas pernas traseiras. Com isso sou obrigada a andar, a arrastar-me. Mas mesobram forças para puxar um carrinho ou para, de costas, equilibrar uma bola muito maior do que eu mesma. Somos assim exploradas. E não temos nenhuma compensação, além das duas refeições diárias. Nem adicional de periculosidade. Não é uma vergonha?

RepórterVocês pulgas deveriam recorrer à Justiça. Por que não formam um sindicato?

Pulga –  Ora, seria um despropósito, seria um absurdo um sindicato de chupadores de sangue. Pensamos una vez em ingressar na FIESP, mas o Mario Amato reagiu. Morcegos e sanguessugas iriam também reivindicar. E iria ser adverso à nova imagem da FIESP, principalmente neste momento. Mas assim que a ministra Zélia se acalmar, vamos voltar à carga. Obviamente só a Pulex irritaras. Quem chupa sangue de cachorro ou de gato não tem o direito, Pulex irritans sãomicroempresárias.

 

Repórter– A senhora, é verdade, irrita o homem com suas refeições, mas também serve de alimento para os macacos, primos do homem. Que as vezes passam horas “catando pulgas” de seus companheiros e comendo-as…

PulgaNão é verdade, o macaco na natureza não tem pulgas. Às vezes quando em cativeiro pode alojar a pulga humana ou a do cachorro. Mas o que vocês, humanos, observam é o macaco catando e comendo piolhos e pequenos carrapatos, uns bichinhos nojentos, sem nenhuma classe. É bem verdade que tenho um primo-irmão de quem não me orgulho muito, é o Tunga penetrans, mais conhecido pelo apelido de bicho-do-pé. O bicho-do-pé é uma pulga. A fêmea penetra de preferência na sola do pé de animais de grande porte. Os mais procurados são o homem e o porco, talvez por força de afinidade espiritual, mas qualquer animal doméstico e muitos selvagens também servem como hospedeiros. Somente a fêmea tem esse comportamento e uma vez alojada será fecundada pelo macho que seguirá seu caminho. O abdome da fêmea inchará então de maneira espetacular e milhares de ovos serão produzidos e expelidos continuamente. A bicho-do-pé grávida fica do tamanho de um feijão, mil vezes maior que seu volume antes da fecundação. Que humilhação para o Homo sapiens. Mas é preciso vocês tomarem cuidado, pois infecções secundárias, tais como tétano e gangrena, têm causado a morte de homens e porcos. Há também uma outra prima muito antipática chamada Echidnoplaga gallinacca, especializada em galinhas de ruas que também ataca outros animais, tais como coelhos, ratos etc. São tão chatos que, quando infestam um galináceo, este deixa de comer e morre. Pois bem, eu já contei todos os podres da família e como, o senhor vê, a pulga humana menos nociva, é justamente a que está em extinção. Quem sabe se os ecologistas conseguem abolir o Neocid ou pelo menos revitalizar o movimento hippie. É preciso um SOS-Pulga. E agora chega de conversa. Será que não fazem repórter tipo A? Que na próxima entrevista me mandem um.

Créditos de imagem: jaquelinapascholati.blogspot.com


Publicado no jornal Folha de São Paulo de 12/02/1991.

Facebooktwittergoogle_plus