Em Ciência e Educação, Destaques

Por Redação

Mecânica quântica, a construção da bomba atômica, a teoria do Big Bang, reações bioquímicas e clonagem foram alguns dos temas abordados na série “Diálogos Impertinentes”, que reuniu o poeta Ferreira Gullar e o físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite, do Conselho Editorial da Folha, para discutir “A Ciência”.

O debate aconteceu em abril de 1997, no Teatro de Arena do Tuca, em São Paulo, e teve intermediação de Nelson Ascher, articulista da Folha, e Mário Sérgio Cortella, professor do departamento de teologia da Pontifícia Universidade Católica.

Na primeira parte do programa, o poeta e físico concordaram que a ciência tanto pode ser um instrumento de libertação quanto de dominação. Leite alertou para o crescente cientificismo da sociedade. “Ela (a ciência) começa a escravizar o espírito”, afirmou.

Ciência x arte

Os dois falaram sobre a impossibilidade de união entre ciência e arte, especificamente poesia.

“Esse velho sonho de fazer com que ciência e arte se fundam jamais ocorreu realmente de uma maneira saudável para um ou para o outro. O que acontece é que, de vez em quando, certos resultados da ciência são usados pelos artistas. Mas nunca houve um casamento real entre ciência e arte”, afirmou Leite.

Entre os temas que provocaram polêmica, está a idéia de que reações bioquímicas justificariam a origem das reações humanas a situações específicas, que foi questionada por Ferreira Gullar.

“Se nós realmente nos imbuirmos da convicção de que todas as nossas reações são bioquímicas e tivermos isso presente permanentemente dentro de nós, então, realmente, você vira um autômato. Esse conhecimento é uma ficção científica”, afirmou o autor de “Luta Corporal”.

https://www.youtube.com/watch?v=WUzLY2hK1GA  

FSP/PUC-SP/SESC-SP [Gravado em: 28/04/1997].

TV PUCSP:05/12/2016.

Facebooktwittergoogle_plus
Showing 2 comments
  • Jeferson Paz
    Responder

    Parabéns pelo resgate desse importante debate. Passados vinte anos os questionamentos continuam, felizmente, os mesmos. E não deixa de lembrar as contradições e “impertinências” do poeta Gullar. Ressalto, ainda, a lucidez e a linguagem nada acadêmica do cientista Rogério Cerqueira Leite que permite aos demais mortais tangenciar área de tamanha complexidade.

  • José Angelo Archanjo
    Responder

    Com todo respeito ao Gullar, o físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite arrasou.

Comentar