Em Destaques, Literatura

Por Carlos Drummond 

O leitor interessado em conhecer a assombrosa travessia do capitalismo, da sociedade e das ideias, desde o começo do século XX até os dias atuais, conta, a partir de hoje, com um mapa qualificado. Trata-se do livro Manda quem pode, obedece quem tem prejuízo, de Luiz Gonzaga Belluzzo.

Em texto ágil, de parágrafos curtos e bem humorado, os autores decifram a retórica dos assim chamados especialistas e revelam tratar-se de recurso dissimulador do domínio exercido por uns poucos sobre quase toda a humanidade. Na introdução, e depois no quinto capítulo, Belluzzo e Galípolo demolem com precisão e sem piedade as colunas de sustentação da corrente dominante na economia e as formulações dos seus economistas.

Assim desanuviado o horizonte, percorrem, no primeiro capítulo, a principal experiência de controle político dos excessos inerentes ao capitalismo, o New Deal do presidente americano Franklin Delano Roosevelt. A epopeia é examinada de modo a destacar os ganhos para a sociedade em vez da polêmica na interpretação dos seus efeitos econômicos.

globalização, tema do segundo capítulo, aparece despida da apologia e da mistificação costumeiras. Os autores mostram a sua essência de acirradora da concorrência, nos movimentos de deslocamentos territoriais da produção e de formação de megaempresas integradoras de cadeias de valor.

O incesto entre o sistema financeiro e a política, de consequências desastrosas para a humanidade, é abordado no terceiro capítulo, e no seguinte os autores desnudam a relação promíscua entre a academia e o mundo dos negócios.

Dedicado ao País, o sexto capítulo vai ao ponto: “Na etapa atual da Grande Estagnação, o Brasil, com suas taxas de juros, desempenha a honrosa função de tesouraria das empresas transnacionais sediadas no país, travestindo o investimento em renda fixa com a fantasia do investimento direto.”

Os autores não se escondem sob o véu esburacado de uma neutralidade científica inexistente. Ao contrário, declaram de que lado estão, nesta passagem do epílogo:

“A resposta esperançosa à Pergunta ao Futuro depende crucialmente da capacidade de mobilização democrática e radical dos Deserdados, os perdedores na liça da concorrência global. Esta perspectiva projeta a democracia em exercício pleno, pela construção permanente de instâncias de participação da cidadania nas decisões cruciais para a vida e o destino de mulheres e homens.”

CartaCapital [https://www.cartacapital.com.br/]:10/04/2017.]

______________

Carlos Drummond. Jornalista.

Facebooktwittergoogle_plus