Em Análises e Reflexões, Destaques
Os belíssimos peixes anjos de coral do gênero Pomacanthus apresentam a mais marcante das metamorfoses ao atingir a maturidade, passando a ostentar as mais magníficas cores encontradas na natureza. O mesmo acontece com pássaros e até mesmo com insetos. A esplêndida multicolorida libélula que frequenta nossos lagos e até mesmo nossas piscinas já foi uma larva asquerosa, predadora, com vastos ferrões. A excelsa borboleta Morfo Menelau, que ostenta o azul mais azul de todo o Universo, já foi uma larva marrom desajeitada e repugnante.
Aquela criaturinha angelical, de uma graça e ingenuidade irresistíveis, Shirley Temple, encantou todo o mundo, crianças e adultos, com sua dança, com seus diálogos impertinentes, desde os três anos até quase a puberdade, tornando-se então uma desajeitada e insossa adolescente, sobrevivendo no cinema apenas graças às glórias de seu passado infantil. Pior ainda quando ficou adulta e aderiu à política, tornando-se o que a imprensa americana chama de Hawck (Gavião), uma caçadora de comunistas, da extrema direita.
Com isso inverteu a fórmula adotada pela Natureza para tantas de suas mais belas criações. Pois é, a Natureza é assim mesmo, mãe para uns, madrasta para outros.
Facebooktwittergoogle_plus